sábado, 23 de julho de 2011

A VINDA DA FAMÍLIA REAL PORTUGUESA PARA O BRASIL




Por Cássio Ribeiro


No início do século 19, Napoleão Bonaparte dominava quase todos os países da Europa. O imperador francês conseguiu estabelecer seu controle econômico e político na Europa, graças ao poder militar significativo da França naqueles tempos.



Bonaparte só não conseguiu vencer a poderosa marinha da Inglaterra, que era a principal inimiga e concorrente comercial da França. Nas Ilhas Britânicas, os franceses não conseguiram entrar. Napoleão então decretou o Bloqueio Continental, que proibia o comércio de todo o continente europeu com a Inglaterra, a fim de enfraquecê-la.



No meio dessa literal briga de cachorros grandes, estava Portugal, que era um grande aliado da Inglaterra. Os ingleses eram os principais fornecedores de produtos manufaturados consumidos em Portugal, e grandes compradores de produtos portugueses e brasileiros.

O rei de Portugal, Dom João 6º, estava sem saída, pois se não aderisse ao Bloqueio Continental, teria que enfrentar o poderoso Napoleão, com o modesto e fraco exército português daqueles tempos.









O rei Dom João 6º: uma cômica figura para uns; um sábio estrategista para outros



Depois de adiar muito a decisão, Dom João 6º foi aconselhado pelo embaixador inglês em Lisboa, Visconde de Strangford, a mudar-se com toda a corte para a colônia brasileira. A idéia foi bem aceita pelo rei português, pois impediria o fim de sua Dinastia de Bragança em Portugal. As tropas de Napoleão, já em território espanhol, avançavam rápido em direção a Portugal.




Em 29 de novembro de 1807, Dom João 6º e toda a corte portuguesa, num total de aproximadamente 15 mil pessoas, partiam para o Brasil escoltados por 4 navios de guerra ingleses. Foram 54 dias no mar, até que em 22 de janeiro de 1808, o rei de Portugal chegou a Salvador, na Bahia. Após a manutenção das embarcações e a reposição de mantimentos, a família real portuguesa embarcou novamente em direção ao Rio de Janeiro, onde chegou em 7 de março de 1808. Começava ai uma nova era na história do Brasil.




Depois de despejarem os moradores das melhores casas da cidade do Rio de Janeiro e ocupá-las, os nobres portugueses passaram a influenciar na forma de vida e nos costumes da cidade. Talheres, navalhas para fazer a barba, facas e muitos produtos ingleses chagavam sos montes. A primeira medida do rei Dom João 6º no Brasil foi abrir os portos ao comércio com as nações amigas, o que acabou beneficiando quase que exclusivamente a economia da Inglaterra de forma significativa.




Os ingleses chegaram até a enviar alguns produtos inúteis ao Brasil, como patins para gelo e carteira para notas (só eram usadas moedas por aqui).




A administração real em território brasileiro possibilitou, além da não derrota formal para a França, a manutenção da unidade colonial e do comércio com a Inglaterra. Alguns historiadores afirmam que se a corte portuguesa não tivesse mudado para o Brasil, nosso país hoje estaria dividido em 5 ou 6 nações distintas, a exemplo do que aconteceu com os territórios da América Espanhola.




Já outra corrente dos historiadores prefere classificar a estada da família real portuguesa no Brasil como uma ação parasita, já que havia a exploração das províncias para a manutenção dos mesmos privilégios reais de que a nobreza portuguesa gozava na Europa.




Para esses historiadores, é necessário e essencial buscar um entendimento do tipo de modelo republicano e constitucional que esse período administrativo da corte no Brasil originou em nosso país, até que chegamos aos dias atuais com a realidade dos escândalos políticos e administrativos do nosso sistema republicano capitalista .




O rei Dom João 6º voltou para Portugal em 1821, mas deixou seu filho Dom Pedro I como príncipe regente do Brasil. Os portugueses exigiam a volta do príncipe, a fim de que o Brasil voltasse à condição de simples colônia portuguesa, como era antes da vinda da corte.




Antes de partir, Dom João 6º recomendou ao filho que liderasse um movimento separatista que tomasse conta do Brasil, para que a Família Real de Bragança não perdesse o novo reino. Em 7 de setembro de 1822, a Independência do Brasil era declarada por Dom Pedro I.




Embora a Família Real de Bragança permaneça no Brasil até hoje, representada na figura do bisneto da princesa Isabel e herdeiro do trono Brasileiro, Dom Luiz de Orleans e Bragança, se o sistema de governo monárquico tivesse permanecido no Brasil e a República não tivesse sido proclamada em 1889, a monarquia naturalmente não teria resistido aos períodos posteriores, que foram marcados por dificuldades econômicas e sociais.








Brasão da Família Real de Bragança...





e o bisneto da princesa Isabel, Dom Luiz de Orleans e Bragança, herdeiro do trono brasileiro




A monarquia teria caído durante uma daquelas agitações e revoltas que tomaram conta do Brasil nas primeiras décadas do século 20, e culminaram com a tomada do poder por Getúlio Vargas na Revolução de 1930; mas essa já é uma outra história.




Em 1993, foi realizado um plebiscito para que o povo brasileiro pudesse decidir entre 3 sistemas de governo: presidencialismo, parlamentarismo ou monarquia. Os monarquistas somaram 13% dos votos válidos e a maioria dos brasileiros optou pela manutenção do presidencialismo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário