domingo, 1 de maio de 2011

RENATO RUSSO E A LEGIÃO URBANA












Por Cássio Ribeiro









O que quase todos na casa dos quarenta, quase todos na casa dos trinta, e uma boa parcela dos adolescentes e pós-adolescente de hoje têm em comum? Talvez seja o fato de que, ao ouvirem as músicas daquela que foi e ainda é a maior banda do rock brasileim todos os tempos, sentirem a sensação de que as letras da Legião Urbana se encaixam e se identificam no cotidiano sentimental geral das pessoas e ao mesmo tempo são compatíveis com a realidade emocional particular de cada um.






Músicas como Será, Pais e Filhos, Tempo Perdido, Há Tempos, Faroeste Caboclo, Eduardo e Mônica e muitas outras atravessaram as décadas de 80, 90 e chegaram aos dias de hoje, quase 15 anos após o fim das atividades de Legião, como sucessos que ainda retratam com impressionante atualidade a nossa realidade emocional, social e política. São essas características das músicas da Legião Urbana que fazem da banda uma unanimidade que liga diversas gerações num gosto comum.





O autor de todo esse lirismo marcante expresso nas letras teria completado 51 anos no último dia 23 de março se estivesse vivo. Renato Manfredini Junior, o Renato Russo, nasceu no Rio de Janeiro, em 1960. Aos 7 anos, foi morar com a família em Nova Iorque, pois o pai, que era funcionário de um grande banco brasileiro, foi transferido para trabalhar na agência daquela cidade. Nos Estado Unidos, Renato teve estreito contato com a língua inglesa.
Dois momentos de Renato: no colo da mãe, dona Carmem, aos dois anos e ...cuidando da nutrição já cedo





A família Manfredini voltou ao Brasil dois anos depois, em 1969, e foi morar na Ilha do Governador, no Rio de Janeiro. Renato se destacava como excelente aluno na escola, mas sempre muito tímido e calado.



Renato segurando a placa da escola, durante a temporada nos Estados Unidos










De volta ao Brasil com a família, Renato e a irmã Tereza em frente a casa da Ilha do Governador, no Carnaval de 1969





Em 1973, Renato e a família vão morar na Asa Sul, em Brasília. Ao completar 15 anos, em 1975, os médicos deobrem que Renato Manfredini tem uma doença óssea chamada epiisiólise, que em Renato, praticamente dissolveu a cartilagem do osso que liga o fêmur à bacia.




Um registro da adolescência




Submetido a uma delicada cirurgia, Renato recebeu o implante de três pinos de platina na bacia, e teve que ficar seis meses na cama, praticamente sem movimentos, e mais um ano e meio, até os 17 anos, se locomovendo em cadeira de rodas, praticamente sem sair de casa. Nesta ocasião, Renato leu e ouviu muita música, despertando assim a pretensão de montar uma banda de rock. O nome "Russo", que virou sua marca artística, foi uma homenagem aos filósofos Jean-Jacques Rousseau e Bertrand Russell, cujas obras leu no período em que esteve entrevado por causa da doença óssea.Renato só voltou a andar aos 18 anos, em 1978, mesmo ano em que o jovem Felipe Lemos, o Fê, então com 16 anos e filho de um professor da Universidade de Brasília, voltava com a família de uma temporada na Inglaterra para morar num conjunto com quatro prédios em Brasília, chamado de Colina.Numa noite de 1978, Felipe Lemos vai com amigos a uma festa. A vitrola ecoa aos quatro ventos músicas das bandas Ramones, The Clash e Sex Pistols, as mesmas que o jovem costumava ouvir na Inglaterra. Interessado em conhecer o dono dos discos, Fê Lemos é apresentado, naquela festa estranha, a um sujeito esquisito vestido com camisa social, e que andava segurando um guarda-chuva numa mão e uma capanga na outra, Renato Russo.



Outro momento de Renato Russo na adolescência




Foi por causa dos discos de punk rock que Fê Lemos e Renato Russo ficaram amigos. Quase na mesma época, Renato conheceu André Pretórius, que era filho de um diplomata da África do Sul, e andava vestido de punk pelas ruas de Brasília. Surgiu a idéia dos 3 montarem uma banda com Russo no baixo, André Pretórius na guitarra e Fê Lemos na bateria; nascia a banda Aborto Elétrico.





A escolha do nome foi inspirada por um literal aborto elétrico ocorrido durante uma passeata em Brasília. A tropa de choque entrou em ação desferindo choques com as pontas dos cacetetes sobre os manifestantes. Uma moça grávida não resistiu às descargas elétricas e abortou, no meio da rua, uma menina que se chamaria Fátima, e que acabou dando nome a uma música do Aborto Elétrico, e se tornou um dos maiores sucessos do grupo Capital Inicial posteriormente.Renato Russo falou para a revista ShowBizz, em 1989, sobre a ocasião do aborto e sobre as reuniões da turma da Colina em Brasília:ENTREVISTADOR - Falem um pouco mais da repressão.RENATO RUSSO - Era tão louco, nem eles sabiam o que era. Implicavam com todo mundo. Era época da redemocratização. A Colina, que era nossa base bem no comecinho, era também a residência dos professores da UNB - gente da esquerda que não podia falar... E volta e meia vinham as joaninhas - não, nem joaninhas, era veraneio mesmo. Essa história de "Veraneio Vascaína" é por causa disso. Eles entravam na universidade, aquelas coisas de bater em estudante etc. O nome Aborto Elétrico é justamente porque eles inventaram, em 68, os cassetetes elétricos que davam choque. Numa dessas batidas, uma menina que estava grávida, nada haver com a história, levou uma tal daquelas cacetadas e perdeu a criança! Coisa de mau gosto! Então, Aborto Elétrico era o que representava a música da gente. Agora, a repressão existia em vários níveis, em todos os lugares. Tinha de se ter muito cuidado com o que se falava - não podia falar mal do governo, nada. Nem bzzzzzz. E era só verem um grupo de jovens juntos que vinham estragar, tipo desmancha prazer. Hoje ainda continua. Cada quatro quadras tem uma viatura especial, com telefone especial... Você viu o que aconteceu no show de Brasília, não? Lá é muito bravo mesmo. Mas a primeira vez que eu fui preso foi o seguinte: já tínhamos a turma punk e nessa época era meio perigoso, porque os boyzinhos começaram a dar porrada nos mais fraquinhos da turma. No André Müller e no Pretórius nuca batiam, porque eles eram enormes. Mas os garotinhos de treze anos, como o irmão do Zé Renato, usava brinco, pronto: vai lá e toma porrada! Eu sempre tentava apaziguar os ânimos. Dizia: "Não, gente, vamos explicar o que é que é. Quem sabe eles entendem." Nesse dia, eu, com minha roupa punk e toda a turma, falamos: "Vamos para outro lugar, não vamos ficar aqui." (isso foi em 81). Já estávamos indo embora quando chegou esta galera, de 15, 16, 17 anos, todos com aquele uniformezinho igual, sabe, roupa assim de jovem normal, boyzinho... E chegou o liderzinho, um cara "inteligente": "Por que, se vocês são brasileiros, ficam rabiscando a camiseta com essas coisas em inglês?" e eu explicando, tentando convencer: "Pô, vamos ficar todo mundo amigo. Olha, tenho um loló aqui. Vamos cheirar?" O cara que estava do lado dele era federal, e: "Mão pra cabeça!" E foi um teatro só. Ele pegou uma varetinha, com um chicote, e disse: "Na parede! Abre as pernas!" E os boyzinhos, claro, gritando: "Punk se fodeu! Punk se fodeu!" Uma coisa estúpida, porque a primeira coisa que o federal fez, foi jogar a garrafa de loló para os boyzinhos. E eles ficaram lá, cheirando. Eu fiquei tão puto com isso! É contra lei e tudo, mas foi aí que eu vi como era realmente a corrupção. Passei a noite no xadrez... A segunda vez, na festa do Estado, foi mais humilhante. Fora o que aconteceu na "Roconha". Nesta festa (dos Estados) estava lá eu - foi quando o John Lennon morreu - com os meus badges, meu cabelo colorido da Mônica, bêbado, falando para todo mundo: "Alê! Eu te amo! A vida é bela!" Perguntava o signo - nessa época eu lia Tarô, fazia mapa astral, um híbrido total. E de repente veio um cara e me deu um puta soco. Eu não me lembro direito, porque eu estava bêbado. Mas fui parar lá no porão da prisão. Mandaram eu tirar a roupa... horrível.ENTREVISTADOR - Você falou em "Roconha"?
RENATO RUSSO - Roconha era o seguinte. Tinha uma galera com um sítio - acho que era filho de um médico. sei lá. Então fizeram três Roconhas - a primeira parece que foi um escândalo, o máximo, mas ninguém ficou sabendo. Eles abriam a fazenda, o pessoal chegava de carro e ficava ouvindo som: você arrumava uma menina, ficava na boa com ela, fumava unzinho... A segunda foi mais divulgada. Fizeram um convite com um mapinha numa sede, dizendo: "traga o seu". Bem, aí nós juntamos na casa do Fê, todo mundo gala, com correntes e tudo, fomos todos para a Roconha. Mas nem entramos! Já tinha policial para tudo quanto é parte - parecia até cena do Kojak, com cachorro e tudo. Já entramos com a mão na cabeça, uns cinqüenta jovens sentados naquele chão de verão que ficava uma poeira só. O que teve de vestido branco que se acabou nesse dia!




DADO VILLA LOBOS - E eles: "Quem é filho de militar, para cá. Os menores para lá."RENATO RUSSO - E eles nos dividindo e a gente: "Não! Temos de ficar juntos." Foi uma coisa psicologicamente muito ruim. Mas quem sofreu mesmo foram menores. Abusaram mesmo! Os pais iam lá pegar as garotas e eles falavam: "Sua filha é uma piranha, andando com maconheiros!" Aquelas menininhas de 13 anos chorando, chorando, chorando. Foi horrível! Aí fizemos "Veraneio Vascaína".O primeiro show do Aborto Elétrico foi instrumental, num bar brasiliense chamado Só Cana. André Pretórius quebrou a palheta e machucou a mão, mas continuou tocando com o sangue escorrendo. As pessoas aplaudiram o sacrifício do guitarrista que, depois da apresentação, foi embora servir no exército da África do Sul, deixando o Aborto Elétrico.Com a prematura saída de Pretórius, Renato Russo assumiu a guitarra e o irmão de Fê Lemos, Flávio Lemos, passou a integrar o Aborto Elétrico como baixista. Nasciam músicas que ficariam famosas no cenário do rock brasileiro anos depois: "Que País é Este", "Veraneio Vascaína", "Conexão Amazônia", "Música Urbana" e muitas outras.




Terceiro show do Aborto Elétrico





Em 1981, o Aborto Elétrico fazia muitos shows em festas e festivais de colégios. Ico Ouro-Preto, irmão de Dinho do Capital Inicial, entrou para a banda como guitarrista, e Renato Russo assumiu a função de vocalista exclusivamente.

Os desentendimentos entre Renato Russo e o baterista Fê Lemos eram constantes. As divergências sobre a qualidade da música "Química", que se tornaria um dos maiores sucessos da Legião Urbana posteriormente, foi um dos motivos que ocasionou o fim do Aborto Elétrico, em 1982.





Fê Lemos e Flavio Lemos entraram para a banda Capital Inicial, que acabou herdando do Aborto Elétrico, as músicas Fátima, Veraneio Vascaína, Ficção Científica e Música Urbana.

Renato Russo, que já trabalhava desde os 17 anos com jornalismo, rádio e aulas de inglês, continuou se apresentando como um trovador solitário nos bares de Brasília, onde os freqüentaores tinham o privilégio de ouvir o violão e a voz de Renato interpretando as canções Química, Eu Sei, Faroeste Caboclo e Eduardo e Mônica, numa versão mais extensa que a gravada posteriormente pela Legião.



Renato como trovador solitário
























Renato queria montar outra banda, e foi com o baterista Marcelo Bonfá, o guitarrista Eduardo Paraná e o tecladista Paulo Paulista que a lendária Legião Urbana teve início. A banda herdou várias músicas do Aborto Elétrico, entre as quais, fizeram sucesso Química, Geração Coca-Cola, Que País é Este, Conexão Amazônica, Tédio Com um T Bem Grande Pra Você e Ainda é Cedo. A primeira apresentação do grupo foi na cidade mineira de Patos de Minas, em 5 de setembro de 1982, no festival Rock no Parque. Foi a única apresentação de Eduardo Paraná e Paulo Paulista, que deixaram a Legião Urbana logo depois.
























O guitarrista Ico Ouro-Preto passou a integrar a Legião Urbana, porém, a falta de uma seqüência fixa de ensaios e o medo de palco o fizeram deixar a banda antes da primeira apresentação em público, que seria na Temporada de Rock Brasiliense.








































A famosa e inesquecível formação
























Em julho 1983, a Legião faz um show no Circo Voador, no Rio de Janeiro. Após a apresentação, que foi um marco na história da banda, a Legião é convidada para assinar com a gravadora EMI. O baixista Renato Rocha (o Negrete) entra para a banda em 1984, quando começam as gravações do primeiro álbum























O disco 1, Legião Urbana, é lançado em 1 de janeiro de 1985, e a música ‘Ainda é Cedo’ é a primeira a ser tocada nas rádios FM de norte a sul do Brasil. As músicas ‘Será’ e ‘Por Enquanto’ são outros grandes sucessos do primeiro trabalho da Legião.





















A nova formação de 1984, com o baixista Renato Rocha
























Assista ao vídeo da música "Ainda é Cedo" abaixohttp://www.youtube.com/watch?v=BUGEPsUotD0























Também em 1985, começam as gravações do segundo disco, que teria o nome "Mitologia e Intuição" e seria um álbum duplo, mas, como a gravadora não concordou, o trabalho foi lançado só com um disco em 1986 sob o título "Dois", que é a segunda marca de maior venda da Legião, com 1,2 milhão de cópias. As músicas ‘Tempo Perdido’, ‘Índios’, ‘Quase sem Querer’ e ‘Eduardo e Mônica’ são os grandes sucessos desse segundo trabalho da Legião. Nessa época, a banda quase acabou.





















Assista ao vídeo da música "Tempo Perdido" abaixo http://www.youtube.com/watch?v=059HEaYRve0
























Passada a fase de quase dissolução do grupo, começam as gravações do terceiro disco, Que País é Este, que foi lançado em 1987 e é o disco da Legião considerado mais punk entre todos da discografia, já que das 9 músicas do trabalho, 7 eram da antiga banda Aborto Elétrico.























Durante a turnê de divulgação do disco Que País é Este, um show realizado no estádio Mané Garrincha, em Brasília, em junho de 1988, acabou em imensa confusão generalizada. A apresentação começou com atraso, e Renato Russo estava bem humorado no palco, fazendo brincadeiras com a platéia.






















Na quarta música, ‘Conexão Amazônica’, um integrante da platéia passou pelos seguranças e subiu no palco. Agarrou Renato Russo pelo pescoço, como que querendo estrangulá-lo. O vocalista revidou com golpes de microfone na cabeça do agressor, que foi contido pelos seguranças e retirado do palco.























O show continuou e uma bomba foi jogada no palco. A Legião Urbana abandonou a apresentação antes do fim e o público ficou furioso. Outras bombas foram jogas no palco e teve início um quebra-quebra generalizado no estádio. Em meio ao caos, o saldo foi de 385 atendimentos médicos. O governo do Distrito Federal moveu um processo contra a Legião.

















Momento em que Renato é agarrado pelo pescoço durante o show em Brasília
















A confsão no estádio Mané Garrincha em 1988
















No Final de 1988, o baixista Renato Rocha sai da Legião depois de desentendimentos com os outros integrantes. Começam as gravações do quarto disco, As Quatro Estações, nas quais Renato Russo e Dado Villa-Lobos se revezaram no baixo. O trabalho, com a marca das 1,7 milhão de cópias vendidas, representa o maior sucesso da banda, e é considerado o melhor disco do grupo. Das 11 músicas, 9 fizeram sucesso nas rádios.


















A banda novamente sem Renato Rocha

















O álbum foi lançado em 1989, mesmo ano em que Renato Russo descobriu ser portador do vírus da AIDS, em pleno auge da carreira. O disco aborda temas como a própria AIDS, na música ‘Feedback Song for a Dying Friend’, o homossexualismo, em ‘Meninos e Meninas’, e ainda expressa a tradicional crítica tão característica nos trabalhos da Legião, na música ‘1965 Duas Tribos’.O quinto disco ‘V’ foi lançado em novembro de 1991 e é bem melancólico, pois foi produzido na época em que Renato tinha descoberto ser portador do HIV, além de passar por problemas no relacionamento amoroso, e com o alcoolismo. Os destaques do disco ‘V’ foram a crítica social ‘Teatro dos Vampiros’ e a melancólica ‘Vento no Litoral’. Para muitos fãs da banda, o disco é a grande obra prima da Legião Urbana. A turnê de divulgação do trabalho teve que ser interrompida em 1992, quando a já frágil saúde de Renato Russo apresentou complicações.O sexto disco, O Descobrimento do Brasil, foi lançado em dezembro de 1993. As músicas falam de esperança e despedida, pois marcam a fase em que Renato tinha iniciado um tratamento contra a dependência química. O disco foi um dos que menos tocou nas rádios.

No início de 1996, piora o estado de saúde de Renato Russo, e o cantor entra em depressão profunda. As gravações do sétimo disco, A Tempestade ou o Livro dos Dias, é interrompida várias vezes e dura seis meses. O disco foi lançado em 20 de setembro de 1996, e não possui agradecimentos e nem a tradicional frase presente em quase todos os discos da Legião Urbana: Legio Omnia Vincit (Legião Urbana a tudo vence). Renato recusou-se a tirar fotos para o disco, cujas letras são uma espécie de carta de despedida aos fãs. As Fotos para o encarte foram produzidas perto do lançamento, com exceção da de Renato Russo, que foi uma fotografia antiga reaproveitada.

















A foto do disco 'A Tempestade': montagem com uma imagem antiga de Renato Russo
























Ao fim das gravações de ‘A Tempestade’, em junho de 1996, Renato se isolou em seu apartamento, em Ipanema, no Rio de Janeiro, muito debilitado por uma forte pneumonia.

No dia 11 de outubro de 1996, pesando 45 quilos, morria Renato Russo, um dos maiores letristas e cantores do rock brasileiro. Seu corpo foi cremado no dia seguinte no Cemitério do Caju, e as cinzas jogadas no jardim do sítio do paisagista Roberto Burle Marx, em Barra de Guaratiba no Rio de Janeiro. Onze Dias depois da morte de Renato, em 22 de outubro, Dado e Bonfá anunciavam o fim da Legião Urbana.

























Após a morte de Renato Russo, foram lançados o Acústico MTV Legião Urbana, em 1999, e mais 4 discos com gravações anteriores a 1996, além da coletânea Música para Acampamentos, lançada em 1992. Existem ainda 8 discos solo de Renato Russo.























Renato deixou um filho, Giuliano Manfredini, que hoje tem 22 anos e mora com os avós paternos em Brasília. O rapaz foi fruto de uma rápida relação entre o cantor e uma fã que, segundo os pais de Renato Russo, morreu num acidente de carro, em 1990.

















Com o filho Giuliano Manfredini























O filho de Renato Russo em foto de 2006, aos 17 anos: guitarra como hobby e planos para cursar a faculdade de Direito

















O veterano cineasta Antônio Carlos da Fontoura está dirigindo um filme Sobre a Legião Urbana, "Somos Tão Jovens", que será concluído agora em 2011. O nome original “Religião Urbana”, que Renato não aprovava, foi vetado pela mãe do artista.


























Legião Urbana ainda é o terceiro maior grupo musical da gravadora EMI em venda de discos por catálogo em todo o mundo hoje em dia. São 13 títulos de discos que ultrapassam as 19 milhões de cópias vendidas, o que dá uma média de cerca de 200 mil cópias por mês. Uma marca que, sem dúvida, dá à Legião Urbana do eterno trovador solitário Renato Russo, o título de maior banda brasileira de rock em todos os tempos.













Animação criativa da música Eduardo e Mônicahttp://www.youtube.com/watch?v=3LUH8ovUAF0

Nenhum comentário:

Postar um comentário